quarta-feira, 6 de julho de 2011

Informações Interessantes


  • Em cada hora de consumo elétrico, cinco minutos são de produção eólica;
  • Energia eólica excedente vai ser utilizada em carros eléctricos. As baterias dos carros eléctricos vão servir para armazenar a energia eólica excedente na Dinamarca, acabando com o desperdício;
  • Cada turbina produz entre 50 a 300 kW de energia eléctrica. Com 1000 watts podemos acender 10 lâmpadas de 100 watts; assim, 300 kilowatts acendem 3000 lâmpadas de 100 watts cada;
  • A maior turbina construída até agora localiza-se num parque eólico marinho da Alemanha;
  • Existem turbinas de eixo vertical e de eixo horizontal. As turbinas de eixo horizontal são as mais conhecidas e comuns, as de eixo vertical baseiam-se num princípio semelhante às noras de água (aparelho de tirar água de poços e cisternas), chegando assim o vento perpendicularmente ao eixo de rotação da turbina.
Turbina de eixo vertical (à esquerda) e horizontal (à direita)

Entrevista

A entrevista a seguir foi retirada do seguinte SITE e foi feita em 2007 com o professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Júlio César Passos, que fala um pouco sobre a energia eólica no Brasil.


IHU On-Line – Que vantagens ambientais e socioeconômicas a energia eólica propõe?

Júlio César Passos - A principal vantagem é tratar-se de uma fonte renovável de energia que não agride o meio ambiente. A energia eólica também pode auxiliar na conservação ou regulação de outras fontes devido à complementaridade. Por exemplo, a geração de eletricidade a partir da energia eólica pode possibilitar o armazenamento de água dos reservatórios de usinas hidrelétricas, em períodos de seca, desde que se tenha um bom procedimento de previsão de capacidade de geração eólica. A energia eólica, assim como outras fontes renováveis de energia, dentre elas a solar e a biomassa, são apontadas como capazes de permitir que alcancemos, nas próximas décadas, um desenvolvimento sustentável.

É importante lembrar que na Alemanha, energia eólica é sinônimo de indústria com alto valor agregado e empregos bastante especializados. Além disso, a indústria eólica na Alemanha também permitiu que fossem criadas várias pequenas empresas de fabricantes de componentes, freios, instrumentação, além de empresas de serviços de serviços de montagem e reparos de aerogeradores. Por que não poderemos, também, partir para este tipo de empresas? Isto será possível desde que o Brasil opte por desenvolver tecnologias das indústrias de energias renováveis, de um modo geral. Caso contrário, seremos apenas importadores de tecnologia.


IHU On-Line – Dizem que esse tipo de energia é mais cara do que a gerada pelas hidrelétricas…

Júlio César Passos - Sim, de um modo geral, as tecnologias baseadas nas energias que são intrinsecamente intermitentes, como o são a eólica e a solar, são bem mais caras do que a gerada por hidrelétricas. Por sua vez, as hidrelétricas de grande porte são bem mais baratas do que as PCHs-Pequenas Centrais Hidrelétricas (com potência menor do que 30 MW (trinta megawatt)). No último leilão do Proinfa – Programa de Incentivo à Geração de Eletricidade por Fontes Alternativas, a remuneração do MWh (megawatt-hora) de energia eólica, para o parque Eólico de Osório, foi fixada em R$ 231,00 enquanto o MWh de fonte hídrica (PCHs) ficou entre R$ 110,00 e R$ 114,00. Portanto, a participação da energia na matriz energética deve ser vista como complementar, em função de seu elevado custo e do seu caráter intermitente.


IHU On-Line – Como o senhor percebe os investimentos nessa área? Falta incentivo do governo para que mais empresas apostem nesse segmento?

Júlio César Passos - No Brasil, apesar de ainda nos encontrarmos em um estágio inicial já demos o primeiro passo com a aprovação de projetos pelo Proinfa – Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica, que exige o índice de nacionalização mínimo de 60% e que prevê completar a instalação de 1420 MW (mega watts) de potência de aerogeradores (AGs). Atualmente, estima-se que a capacidade instalada, no Brasil, situa-se em torno de 230 MW. O Brasil já fabrica pás para grandes AGs, há bastante tempo, emSorocaba-SP, onde há duas fábricas de pás. Também já temos duas fábricas de máquinas que fabricam esses modernos e grandes AGs no Brasil: trata-se da Wobben Windpower, da subsidiária alemã Enercon (maior fabricante alemão), com uma fábrica no Ceará e outra em Sorocaba.
Mas os incentivos do Proinfa parecem não ser ainda suficientes para atrair um maior número de investidores. Também o número de pesquisas com a participação de universidades, governo e empresas ainda é pequeno e de forma descontinuada.


IHU On-Line – Por que só agora o País demonstra mais interesse em investir nesse tipo de energia?

Júlio César Passos - É largamente conhecido que a queima de combustíveis fósseis produz dióxido de carbono (CO2) que contribui pra o aquecimento da atmosfera terrestre. A energia eólica aparece como uma possibilidade de energia limpa, complementar às outras fontes.


IHU On-Line – Para que a energia eólica seja mais eficiente, em que lugares do País deveriam ser construídos os parques eólicos?

Júlio César Passos - No Sul do Brasil, existem as localidades de Palmas (PR), Laguna (SC), Água Doce (SC), Bom Jardim da Serra (SC) e Osório (RS), com bons ventos para geração eólica. Ventos bons são aqueles que atingem pelo menos uma média anual de seis metros por segundo. Os ventos do litoral do Nordeste do Brasil, principalmente no Ceará e no Rio Grande no Norte, são excelentes e chegam a alcançar uma média anual de oito metros por segundo. É importante que a velocidade do vento, ao longo do ano, apresente-se relativamente uniforme a fim de permitir um funcionamento do AG sem muita manutenção. Apesar de grande, os modernos AGs necessitam de proteção e são colocados em situação de não-rotação (parada), quando a velocidade do vento é muito elevada, acima de 25 m/s. Uma rajada de vento muito forte, por exemplo, poderia quebrar o aerogerador, que pode ser considerado como um computador grande programado para gerenciar várias tarefas, inclusive conectar e desconectar o gerador elétrico do AG à rede elétrica, mudar a orientação do AG em relação ao vento, variar o ângulo das pás, entre outras.


IHU On-Line – A Região Norte do País poderia ser beneficiada com esse tipo de energia?

Júlio César Passos - Infelizmente, a Região Norte não possui ventos com boa velocidade que permitam o investimento de grandes AGs. Apesar disto, alguns projetos pilotos com pequenos aerogeradores foram desenvolvidos pela UFPA – Universidade Federal do Pará em localidades isoladas, onde não há redes elétricas. Neste caso, a energia elétrica gerada por esses pequenos aerogeradores é armazenada em bancos de bateria.



IHU On-Line – Como o senhor percebe o parque eólico de Osório no Rio Grande do Sul? Ele pode servir de modelo para a construção de outros parques no Brasil?

Júlio César Passos - O parque de Osório apresenta como principal novidade o fato de que suas máquinas são as maiores até agora instaladas, no Brasil, com AGs de 2MW, com 71 metros de diâmetro de rotor e eixo a 98 m do solo. Portanto, são máquinas maiores do que aquelas instaladas em Santa Catarina (600 kW) e mesmo no Ceará e Rio Grande do Norte. Se quisermos avançar no conhecimento do funcionamento desses parques, será fundamental a instrumentação com anemômetros e o acompanhamento do que está sendo gerado em cada parque, ao longo de vários anos. Quais são as interferências, por exemplo, que a energia gerada por esses parques podem causar quando lançada na rede elétrica? Na Alemanha, é assim que tem sido feito, e isto explica por que os alemães estão na frente e exportam tecnologia. Além disso, a pesquisa aplicada nesta área também pode ser geradora de mão de obra altamente especializada.


IHU On-Line – O Brasil perdeu espaço na corrida pela energia eólica para países como Alemanha e EUA?

Júlio César Passos - A energia eólica para geração de eletricidade está associada aos modernos aerogeradores (AGs) de eixo horizontal, com três pás, conectados diretamente à rede elétrica, cujos diâmetros já chegam a passar de 110 m, ou seja, equivalente ao comprimento de um campo de futebol. Os AGs são máquinas de alta tecnologia e compõem-se de vários sistemas operando por meio de computadores que podem mudar o ângulo das pás em relação ao vento, a fim de se obter maior aproveitamento da energia do vento. O campeão mundial de número de máquinas instaladas, quase 20.000 AGs, é a Alemanha, cuja capacidade instalada é de 21.000 MW (megawatts), seguida pela Espanha e pelos EUA, ambos em torno de 10.000 e 9.000 MW, respectivamente. No caso da Alemanha, é importante observar que a energia eólica representa uma verdadeira indústria, geradora de milhares de empregos.

Os estudos não param e novos desafios surgem para os fabricantes. Com o aumento do tamanho médio dos aerogeradores, tem sido possível diminuir o preço por kW (quilowatt) instalado. A instalação de aerogeradores em parques offshore também coloca outros desafios, no que se refere à resistência de novos materiais. O fabricante Enercon, líder da Alemanha, desenvolveu um aerogerador em que não há caixa de transmissão permitindo o acoplamento do eixo da turbina diretamente ao eixo do gerador elétrico.
Portanto, trata-se de uma tecnologia bastante sofisticada, na qual o Brasil começa a dar os primeiros passos.

Mas é necessário dar mais incentivos para a pesquisa nessa área, não apenas para a tecnologia da máquina, mas também para a questão do potencial eólico e para a previsão de ventos para a geração de eletricidade. Por exemplo, ainda não dispomos de dados do vento de longo prazo (10 anos ou mais), o que é fundamental para se determinar o potencial eólico confiável de um lugar. Na UFSC, orientamos uma dissertação de mestrado, defendida em março de 2007, com dados de vento fornecidos pela Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina), onde se analisou o potencial eólico de vários sítios eólicos de Santa Catarina como também se implementou um método de previsão de ventos, a partir de dados de vento calculados através de modelos meteorológicos pelo CPTEC-INPE.


HU On-Line é a revista semanal do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos. (www.ecodebate.com.br) entrevista publicada pela IHU On-Line – 20/09/2007

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Entenda o Processo


Essa imagem retirada AQUI, mostra de uma maneira bem simples, como o vento é transformado em eletricidade.



É importante lembrar que o local onde as turbinas são instaladas devem ter características que favoreçam a produção de energia.
A velocidade média anual dos ventos pode apresentar grandes variações no espaço de poucas dezenas de metros, pela influência do relevo e eventual presença de obstáculos no local.
- A influência do relevo: elevações aceleram o vento no seu topo.
-A influência da rugosidade: restingas e matas reduzem o vento, inclusive nas áreas planas.


Parque Eólico de Itabapoana


O vídeo abaixo mostra uma reportagem sobre a construção do Parque Eólico de São Francisco do Itabapoana, no Rio de Janeiro, primeiro parque eólico da região Sudeste:


Este vídeo, no entanto, mostra o Parque já em funcionamento:


OBS: É interessante ler a descrição do vídeo acima, pois compartilha informações sobre esse parque eólico.

domingo, 3 de julho de 2011

Parques Eólicos Brasileiros


MUCURIPE


Potência Instalada: 2,4 MW
Área: 361,00 m²
Local: Mucuripe, Fortaleza-CE
Conclusão: 2001


RIO DO FOGO


62 Aerogeradores
Potência Instalada: 49,6 MW
Área: 159.000,00 m²
Conclusão: 2006
Local: Rio do Fogo-RN


CANOA QUEBRADA


5 aerogeradores
Potência Instalada: 10,5 MW
Área: 22.325,00 m²
Local: Aracati-CE
Conclusão: 2008


MATARACA


13 aerogeradores
Potência Instalada: 10,4 MW
Área: 39.400,00 m²
Local: Mataraca-PB
Conclusão: 2007


PEDRA DO SAL


20 aerogeradores
Potência: 18 MW
Área: 6.665,83 m²
Local: Parnaiba-Piauí
Conclusão: 2008


PARAJURÚ


19 aerogeradores
Potência Instalada: 28,5 MW
Área: 79.175,50 m²
Local: Beberibe-CE
Conclusão: 2009

Energia Eólica no Brasil

Mapa do potencial eólico brasileiro que explica o porquê de existirem usinas eólicas somente no Sudeste (1 estado), Sul (3 estados) e Nordeste (5 estados).


Previsões mostram que até 2013 a capacidade do Brasil em produzir energia elétrica a partir da energia eólica quintuplicará, essas informações se baseiam no fato do grande crescimento econômico que o país vem tendo, isso está chamando, cada vez mais, atenção de empresários estrangeiros que vêem na energia eólica uma nova forma de empreendimento, como exemplo de empresas estrangeiras que tem investido nesse setor no Brasil temos a Wobben Windpower, Siemens, General Eletric (GE), Suzlon entre outras.

O aumento das necessidades do mercado brasileiro vem pressionando-o cada vez mais para que se invista em uma forma alternativa de energia, e como a energia eólica tem sido barateada e vem ganhando espaço nesse setor, o Brasil vem investindo pesado nela.

Com a crise que afetou principalmente os Estados unidos e a Europa,os investimento no setor de energia diminuíram e projetos de novas usinas não se concluíram, porém o Brasil por ter se recuperado rapidamente desse fato, seu mercado consumidor de energia cresceu 12% no ano.

Uma vantagem da energia eólica no Brasil é o fato dela utilizar a energia cinética dos ventos, o que pode ajudar nas regiões em que há período de seca e não é viável que se use apenas da energia elétrica produzida pelas hidrelétricas como, por exemplo, o nordeste do Brasil.

A capacidade de geração de energia eólica no Brasil aumentou 77,7% em 2009, em relação ao ano anterior, número superior ao dos Estados Unidos. A capacidade no fim de 2009 era de cerca de 600 MW. Em 14 de Dezembro de 2009, cerca de 1.800 MW foram contratados com 71 usinas de energia eólica, programados para serem entregues a partir de julho de 2012.

Alguns Países Que Investem Na Energia Eólica


ITÁLIA


Mesmo com suspeitas de corrupção em relação à construção e venda ilegal de energia eólica, a Itália conseguiu em 2007 e em 2009 cerca de 4850 megawatts de energia e ocupa o 6º lugar no ranking dos maiores produtores desse tipo de energia.


ESTADOS UNIDOS


Os EUA lideram o ranking dos países que mais produzem energia através do vento, tendo o total de produção ultrapassando 35 GW.
Em 2008, aumentaram sua capacidade em 50% e ultrapassaram a Alemanha com um total de 25,1 GW contra 23,9 GW.


CHINA


Em 2008, a China duplicou sua capacidade instalada, chegando a 12,2 GW, superando a Espanha em 2009, com 20 GW e se tornando o terceiro maior produtor mundial de energia eólica. O país deseja que as energias renováveis representem 20% de seu abastecimento até 2020. Na China a sua geografia favorece a geração de energia eólica, pois há grande massa de terra e uma grande extensão do litoral.


ALEMANHA


A Alemanha era o maior produtor de energia eólica até 2008, quando foi ultrapassado pelos EUA, hoje é o segundo maior produtor com cerca de 26 GW de potência instalados. A energia eólica na Alemanha é significativa, representa cerca de 7% da eletricidade distribuída no país.


ESPANHA


A Espanha está em 4º lugar no ranking dos que mais produzem energia eólica. Atualmente o país produz 18 mil megawatts por ano e em 2011, no mês de março, essa energia representou 21% de todo o consumo, alcançando o status de maior fonte de energia elétrica do país.


ÍNDIA


Em 1980, o governo da Índia começou a criar projetos sobre energia eólica, porém só mais tarde que esse setor foi se desenvolvendo. Um empreendedor particular que queria resolver o problema de interrupção de sua produção de poliéster devido ao fornecimento irregular de energia, investiu nesse setor e só depois se deu conta de que estava desenvolvendo uma fonte de energia alternativa para seu país.


A Energia Eólica Está Crescendo Rapidamente

O vídeo abaixo fala sobre a energia eólica nos Estado Unidos. Ele está em inglês, portanto a tradução dele está abaixo:


Turbinas eólicas estão surgindo em um ritmo recorde pelos EUA e graças as crescentes preocupações pelo preço do gás natural e pelo desejo da independência de energia e incentivos para a produção de energia renovável, é provável que a tendência continue.

O “Horse Hollow Wind Energy Center” no sudoeste do Texas é o maior do mundo.

“A Energia Eólica é uma fonte de energia limpa e renovável que não tem impacto sobre a água, não tem impacto sobre emissões de gases e tem pouco impacto sobre a terra envolta, enquanto ao mesmo tempo, cria um tremendo crescimento econômico para várias comunidades rurais pelos Estados Unidos.”

Críticos da energia eólica apontam uma diferença de preços, notando que os custos de construção de geradores eólicos podem usar o dobro da dose de combustíveis fosseis.

Aqueles que apoiam, no entanto, afirmam que uma vez construídas, não há custo de combustível. Lembre-se que o vento é de graça e a manutenção é considerada mínima, tornando os custos da energia eólica competitivos.

De acordo com Mike Revak da “Siemens Power Generation” é relativamente fácil de aproveitar a energia.

“Você basicamente coloca um rotor no topo de uma torre alta, o vento sopra o rotor que está conectado a um eixo que impulsiona um gerador elétrico para produzir eletricidade”

Quanto mais torres, mais vento, mais largo é o gerador e maior é o diâmetro do rotor, mais energia é produzida. Hoje, mais de trinta estados possuem usinas eólicas, produzindo energia suficiente para abastecer cerca de 2.5 milhão de casas. O objetivo da Associação Americana de Energia Eólica é de 6% de todas as casas dos EUA receberem sua eletricidade do vento em 2020.

“Um dos maiores desafios que nosso pais enfrenta é o crescimento da população e encontrar uma fonte sustentável de energia para esse crescimento populacional. Há cada ano mais pessoas consumem mais eletricidade, com casas maiores, computadores mais poderosos, celulares, muitas coisas. Então, esse desafio que encara o país é o mais difícil, como você encontra mais fontes de energia? E o vento é uma das maneiras."

E os Estados Unidos não estão sozinhos em perceber o poder do vento. Alemanha, Espanha e Itália se juntam a América entre os líderes mundiais em capacidade eólica e na Dinamarca a energia eólica abastece 20% da demanda total de eletricidade do país.

Dados Mundiais

































Imagem retirada da FONTE.

A imagem acima mostra a capacidade instalada de geração eólica de alguns países entre 1997-2002, ao lado observa-se o ranking dos maiores produtores mundiais em 2006, mas que já sofreu modificações devido ao crescimento de certos países como os EUA e a China.
Segundo dados de 2009, os Estados Unidos lideram como o maior produtor de energia eólica com cerca de 22,3% de toda a produção mundial, seguido pela Alemanha com 16,3% e China com 15,9%, logo depois vem Espanha, Índia, Itália, França, Reino Unido e Portugal.
A capacidade instalada de energia eólica cresceu 23,6% em 2010 atingindo 196,6 mil MW, sendo 37,6 mil MW instalados nesse ano citado. A WWEA (World Wind Energy Association - algo como: Associação Mundial de Energia Eólica, fundada em 2001) prevê que em 2015 a capacidade do mundo será de 600 mil MW. Também segundo a WWEA, a potência gerada pelas usinas eólicas do mundo duplica a cada 3 anos.

sábado, 2 de julho de 2011

Energia Eólica no Mundo


Antigamente, há cerca de quatro milênios, o vento era utilizado pelas sociedades antigas para movimentar barcos ao longo da água, além de terem sido criados os primeiros moinhos de vento, feitos para moer grãos, entre 2000 a.C e 200 a.C e que são muito comuns nos Países Baixos.

A tecnologia da energia eólica foi se desenvolvendo e no começo do século XX, moinhos já eram utilizados para abastecer áreas rurais com eletricidade e para o bombeamento de água. A tecnologia se expandiu para as cidades e hoje vários países produzem energia eólica.

A maior concentração de turbinas eólicas sempre esteve presente na Europa, mas atualmente, o continente ocupa o terceiro lugar no ranking de energia eólica sendo que somente 27% dos novos cata-ventos foram instalados lá.

Na África, quase não existem turbinas eólicas, devido à falta de infra-estrutura. Porém, Egito e Marrocos são os principais produtores desse tipo de energia, inclusive possuindo empresas que fabricam componentes para as turbinas como é o caso do Egito.

A Ásia foi o continente que teve maior crescimento detendo 40% de todos os novos cata-ventos instalados em 2009, a maioria presentes na China que, no mesmo ano, ultrapassou a Espanha e se tornou o terceiro maior produtor de energia eólica mundial. Além dos grandes parques eólicos, na Ásia são instalados micro parques eólicos para abastecer zonas rurais, sem acesso à energia elétrica.

Cerca de 2% das novas instalações estão presentes na América do Sul que se nesse aspecto se desenvolve mais lentamente, já que a energia elétrica é o principal meio de abastecimento, mesmo assim, a implantação de usinas eólicas esta crescendo, o México quintuplicou o número de turbinas em 2009 e o Chile planeja a construção de 20, com 6 já construídas.


quarta-feira, 29 de junho de 2011

ESQUEMAS - Geração de Energia



As pás captam a energia cinética, que vem do movimento do vento, o eixo a transforma em energia rotacional e, no gerador ela vira energia elétrica:






Esquema do caminho do vento, virando energia e sendo consumido:




VÍDEOS - Como Funciona a Energia Eólica?



Os três vídeos à seguir mostram, de uma maneira simples, como funcionam os mecanismos de um aerogerador, os tipos de turbinas existentes e, além de citarem vantagens e desvantagens da utilização de energia eólica, são compartilhadas outras informações interessantes.



PARTE 1

video


PARTE 2

video


PARTE 3

video

Descrevendo o Funcionamento de Uma Usina Eólica



O vento gira uma grande hélice que é conectada a um gerador, produzindo eletricidade. Quando as turbinas de vento são ligadas a uma central de transmissão de energia, temos então a central eólica. A quantidade de energia que será produzida por uma turbina irá variar de acordo com o tamanho de suas hélices ou do local em que ela está instalada, para uma boa produção de energia, não são necessários somente ventos fortes, mas sim a regularidade deles e o fato de não sofrerem turbulências e nem estarem sujeitos a fenômenos climáticos como tufões (grandes massas de ar que se formam na atmosfera e giram em alta velocidade).
O trecho a seguir, retirado da seguinte FONTE, mostra como funcionam os mecanismos de uma turbina eólica mais simples possível:

  • Pás do rotor: as pás são, basicamente, as velas do sistema. Em sua forma mais simples, atuam como barreiras para o vento (projetos de pás mais modernas vão além do método de barreira). Quando o vento força as pás a se mover, transfere parte de sua energia para o rotor;
  • Eixo: o eixo da turbina eólica é conectado ao cubo do rotor. Quando o rotor gira, o eixo gira junto. Desse modo, o rotor transfere sua energia mecânica rotacional para o eixo, que está conectado a um gerador elétrico na outra extremidade;
  • Gerador: na essência, um gerador é um dispositivo bastante simples, que usa as propriedades da indução eletromagnética para produzir tensão elétrica - uma diferença de potencial elétrico. A tensão é, essencialmente, "pressão" elétrica: ela é a força que move a eletricidade ou corrente elétrica de um ponto para outro. Assim, a geração de tensão é, de fato, geração de corrente. Um gerador simples consiste em ímãs e um condutor. O condutor é um fio enrolado na forma de bobina. Dentro do gerador, o eixo se conecta a um conjunto de imãs permanentes que circunda a bobina. Na indução eletromagnética, se você tem um condutor circundado por imãs e uma dessas partes estiver girando em relação à outra, estará induzindo tensão no condutor. Quando o rotor gira o eixo, este gira o conjunto de imãs que, por sua vez, gera tensão na bobina. Essa tensão induz a circulação de corrente elétrica (geralmente corrente alternada) através das linhas de energia elétrica para distribuição.

Clique AQUI para ver uma ilustração sobre a produção de energia a partir de usinas eólicas.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Vantagens x Desvantagens



A utilização de energia eólica, como qualquer outro tipo de energia, tem seus pontos positivos e negativos:


Entre as vantagens do uso de usinas eólicas podemos citar:

- Sua fonte é inesgotável, segura e renovável.
- Não há emissão de gases poluentes.
- As turbinas de vento não precisam de muita manutenção.
- Uma das fontes de energia mais baratas do mercado.


Para a comunidade e também para o estado onde são inseridos parques eólicos:

- Criação de empregos.
- Investimento em zonas desfavorecidas, pois os parques eólicos são, normalmente, instalados em áreas rurais que são menos povoadas.
- Compatibilidade com a utilização do terreno para agricultura e também pecuária.
- Reduz a dependência energética externa.
- Boa rentabilidade do investimento.





Uma das vantagens da instalação de usinas eólicas é que o mesmo terreno pode também ser aproveitado para a pecuária e agricultura.





Já entre as desvantagens podem ser citados:

- Poluição sonora já que os ventos que batem nas pás produzem um ruído constante de até 43 decibéis.
- Impacto visual: a instalação de parques eólicos gera grande modificação da paisagem, principalmente para os moradores locais.
- Impacto sobre as aves do local, pois estas muitas vezes se chocam com as pás, além de ter um efeito no comportamento de migração desses animais.
- A dependência do vento, pois este nem sempre sopra de modo a atingir os níveis necessários de produção da energia.







Muitas aves se chocam com as pás das usinas eólicas e morrem.






segunda-feira, 20 de junho de 2011

Como Se Formam os Ventos?


Para entender o funcionamento das usinas eólicas, é, primeiramente, necessário saber de onde surgem e como se formam os ventos, fonte de energia utilizada nesse processo.
O vento resulta do deslocamento de massas de ar que possuem diferentes níveis de aquecimento, e como consequência, diferentes pressões.
A animação presente no link a seguir mostra a movimentação dos ventos tanto em uma cidade, quanto na superfície do planeta Terra.


Clique aqui para ver a animação.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Introdução


Energia Eólica é aquela que vem do movimento do ar (vento) e é uma fonte de energia limpa, renovável e abundante, não gera poluição nem agride o meio ambiente e pode auxiliar na redução do efeito estufa.

Os primeiros moinhos de vento foram inventados na Pérsia no século V e seu mecanismo foi utilizado desde a antiguidade para impulsionar barcos ou mover pás dos moinhos.

O mecanismo básico de um moinho continua o mesmo até os dias de hoje,o vento atinge a hélice a qual gira um eixo que impulsiona uma bomba (gerador).


- No Brasil existem cerca de 36 parques e fazendas eólicas.
- Os EUA lideram o ranking mundial dos países que mais produzem energia através da fonte eólica.